DISSECO DE AORTA PDF

Jutaxe O termo Sndrome de Marfan foi usado pela primeira vez por Henricus Diaseco em Click here for the english version. View the complete Editorial Board here. This information is processed by the brain and the autonomic nervous system mediates the homeostatic responses. Principles of Anatomy and Physiology Eighth ed.

Author:Jukora Dizragore
Country:Cayman Islands
Language:English (Spanish)
Genre:Science
Published (Last):19 November 2013
Pages:105
PDF File Size:15.45 Mb
ePub File Size:14.23 Mb
ISBN:738-9-56529-443-6
Downloads:50243
Price:Free* [*Free Regsitration Required]
Uploader:Faebei



Eduardo Keller Saadi Henrique Murad tpicos relevantes 1. Pacientes portadores de aneurisma ou disseco artica assintomticos com o dimetro da aorta ascendente superior a 55 mm, ou a 50 mm se forem portadores de sndrome de Marfan ou valva artica bicspide, tm indicao de tratamento cirrgico. Pacientes com aneurisma ou disseco da aorta descendente assintomticos com o dimetro da aorta descendente superior a 65 mm, ou a 60 mm se forem portadores de sndrome de Marfan ou valva artica bicspide, tm indicao de tratamento cirrgico.

Todos os pacientes com aneurisma artico, sintomticos, tm indicao de tratamento cirrgico convencional ou endovascular. Os pacientes com disseco artica aguda tipo A devem ser tratados com cirurgia de urgncia, atravs de resseco da aorta ascendente, redirecionamento do fluxo sanguneo para a luz verdadeira e ressuspenso da valva aortica. Pacientes com disseco artica aguda tipo B no complicada devem ser tratados clinicamente com anti-hipertensivos e b-bloqueadores.

Pacientes com disseco artica aguda tipo B complicada devem ser tratados em princpio por endoprtese artica, reservando o tratamento cirrgico para os casos em que houver anatomia desfavorvel ao tratamento endovascular. Introduo Apesar dos grandes avanos que ocorreram nos mtodos diagnsticos e nas tcnicas de interveno, as doenas da aorta continuam sendo importante causa Cirurgia Cap O aneurisma verdadeiro uma dilatao localizada da parede da aorta que envolve as trs camadas: ntima, mdia e adventcia.

Na disseco h uma ruptura da ntima e o sangue cria uma falsa luz, por entre os planos da camada mdia, separando a ntima da adventcia Figura 1. A lcera penetrante provoca uma eroso na parede da aorta Figura 2. No falso aneurisma h uma ruptura de parte da parede arterial por exemplo, por Figura 1. Ruptura da ntima com formao de falsa luz dando origem disseco. Fonte: Adaptado de Elefteriades, Figura 2. Cirurgia Cap No hematoma intramural h formao de hematoma dentro da parede da aorta, sem que se identifique ruptura da ntima, ou comunicao deste com a luz da aorta Figura 4.

As doenas agudas da aorta compreendem disseco aguda, hematoma intramural, lcera penetrante, aneurisma roto ou em expanso da aorta torcica, ruptura traumtica de aorta e pseudoaneurisma. Recentemente vem sendo agrupadas como sndromes articas agudas, uma condio de alta mortalidade, associada com incio sbito de dor torcica relacionada com a aorta, que mais frequentemente se d por disseco aguda ou hematoma intramural.

O principal diagnstico diferencial com sndrome isqumica aguda. Figura 3. Pseudoaneurisma ou falso aneurisma da aorta. H soluo de continuidade na parede da aorta com formao de um hematoma periartico. Figura 4. Hematoma intramural de aorta. No h comunicao entre a luz verdadeira e o hematoma. A dor, em geral, de incio sbito, intensa e pode ser acompanhada de sudorese e hipertenso. Hipotenso pode ocorrer quando h ruptura ou tamponamento cardaco.

O exame fsico pode demonstrar alteraes de pulsos perifricos por obstruo de ramos da aorta pela falsa luz. Insuficincia artica por perda de sustentao dos folhetos pode ocorrer na disseco do Tipo A. A disseco da aorta tem uma grande variao em sua apresentao clnica. Um alto grau de suspeita necessrio para uma rpida estratificao de risco e manejo6,7 Quadro 1.

Quadro 1. Dor torcica - somente dor - dor com sncope - dor com insuficincia cardaca Dor torcica com acidente vascular cerebral AVC Insuficincia cardaca sem dor AVC sem dor Raio X de trax anormal sem dor importante Perda de pulso perifrico sem dor ocluso arterial aguda Cirurgia Cap Algum outro mtodo de imagem necessrio para a confirmao diagnstica.

Tomografia computadorizada, ecocardiograma transesofgico ou ressonncia nuclear magntica tem alta sensibilidade e especificidade para o diagnstico e devem ser solicitadas obedecendo o critrio do exame que mais rapidamente pode ser obtido em um determinado centro. A alta resoluo permite o diagnstico diferencial com placa ulcerada, hematoma intramural, assim como ruptura traumtica. Permite uma visualizao muito boa da aorta ascendente e descendente e o arco artico mais difcil de ser visualizado com preciso.

Tambm permite identificar a presena de insuficincia artica, derrame pericrdico, assim como avaliar a funo ventricular. A tomografia computadorizada o exame mais frequentemente realizado na suspeita de disseco. As limitaes esto relacionadas ao diagnstico de insuficincia artica e identificao do local inicial de ruptura da ntima. A disponibilidade do mtodo limitada, particularmente em situaes de emergncia.

A ressonncia mais utilizada em pacientes hemodinamicamente estveis, nas disseces crnicas e no seguimento aps o tratamento da fase aguda. A classificao de DeBakey foi muito utilizada durante dcadas e os pacientes eram classificados em Tipo I quando toda aorta era comprometida pelo processo de disseco, Tipo II quando apenas a aorta ascendente era comprometida e Tipo III quando a disseco se iniciava aps a artria subclvia esquerda IIIa quando limitada aorta descendente, e IIIb quando toracoabdominal.

Atualmente a classificao de Stanford a mais utilizada e divide as disseces agudas da aorta em dois grupos, dependendo do envolvimento ou no da aorta ascendente Figura 5 : Tipo A quando h envolvimento da aorta ascendente no processo de disseco Tipos I e II de DeBakey ; Tipo B quando a disseco no envolve a aorta ascendente Tipo III de DeBakey. Tratamento com bbloqueadores e nitroprussiato de sdio deve ser iniciado imediatamente, assim como analgesia. Pode-se considerar que com os adventos dos procedimentos endovasculares percutneos houve uma verdadeira revoluo no tratamento das doenas da aorta torcica descendente Figuras 6, 7 e 8.

No Algoritmo 1 est representado o manejo atual das disseces agudas de aorta. O hematoma intramural de aorta deve seguir o mesmo protocolo de investigao e manejo da disseco clssica, j que os hematomas que envolvem a aorta Disseco aguda da aorta.

HCPL2531 PDF

Aneurisma e dissecção da aorta.pdf

Sadal Lumbar branch Iliac branch. The aorta then continues downward as the abdominal aorta or abdominal portion of the aorta diaphragm to the aortic bifurcation. For other languages click here. Forum Interact with your colleagues. Repita os passos 2.

JOHN PAUL LEDERACH BUILDING PEACE PDF

Dissecção Aorta

.

Related Articles